A Estrambótica Maga De “First Dates”

Carlos Sobera e os seus se-lhes acumula o trabalho. Dezenas de solteiros chamam diariamente às portas de “First Dates” com a esperança de que no “restaurante do amor”, assim como eles terão de sorte. “Esse não é um restaurante qualquer um”, lembre-se a toda a hora de Sobera ao começar o espaço de Quatro. Como vem sendo usual, “First Dates” não decepciona pela hora de apresentar ao espectador o mais proeminentes membros da comunidade espanhola. O amador ao formato sabe que não domina o que poderá aguardar-se de uma citação de “First dates”: os seres mais diferentes e bizarros que povoam o nosso país se reúnem, e nunca melhor dito, no programa de Sobera.

a primeira A aparecer foi a Anna, uma atriz zaragozana de 26 anos, que assegurou que “a minha fonte é Paula Echevarría, tal no pessoal como no profissional. Tudo o que eu amo”. Ademais, definiu-se como “uma pessoa muito nervosa e impulsiva.

eu Nunca tive um relacionamento, e o que gostaria de encontrar alguém com a qual eu ria e que eu deixe o meu espaço, em razão de eu me pressiono de imediato”. O seu parceiro para a citação era Carlos, um de valladolid cujo sonho era ser deputado: “Eu adoraria de representar um grupo de pessoas e zelar por causa de seus interesses.

Além do mais, eu adoro de mostrar as coisas pela cara”. Tal como Anna, ele assim como não tinha uma amplo experiência amorosa: “eu Nunca tive um parceiro estável e de imediato que eu faço, mais me dou conta de que é uma necessidade vital”.

Nada mais entrar, demonstrou ser um galã, ao solicitar desculpas por vir tarde e causou muito bacana impressão em Anna. Ele assim como gostava dela, em um primeiro momento. Assim que se sentaram à mesa, Carlos puxou o tema da política, perguntando se “costuma votar em branco”. Anna responde que votou a Queremos, e isto deixou estava mal inserido ao valladolid: “E neste momento se arrepende, você “. A partir nesse instante, ficaram claras as diferenças ideológicas entre ambos, porém ele falou que estava “disposta a respeitá-la”. Anna, o que não gostou dele foi a sua inexistência de personalidade. No conclusão, nenhum dos 2 quis ter um segundo encontro e Anna, muito orgulhosa, lhe repreendeu Carlos ter dito que, por não ter dito a ela antes.

Muito mais estraña foi a segunda casal da noite. Primeiro veio Amalia, uma estudante de madrid, de 19 anos, com toda a cara maquiada de branco e preto. “Eu adoro parecia para mim a Lady Gaga pelo motivo de eu gosto de sua música e o teu modo”, explicou, “eu acho que não sou uma pessoa normal, e não almejo fingir que sou.

Me custa muito a se conectar com outro ser humano, assim sendo acho que não somos da mesma espécie”. Amalia argumentou não achar nada em concreto, só uma pessoa “que não seja possessiva e que esteja disposta a um relacionamento aberto. Também, tem que estar louca e querer de sair de sua zona de conforto”.

  • diz-Me que tudo, e que eu lhe explique a ele por causa de eu tenho razão
  • 28 e nao consigo restaura o meu artigo
  • 1 velho Testamento 17.1.1 Arca de Noé
  • , que Se adapta ao tom da tua pele, graças à sua fórmula com base transparente
  • Mensagens: 23.194
  • Mac mini G4

Sua companheira de mesa seria Aurora, também estudante e de madrid, de dezenove anos. Ao mostrar-se a o restaurante contou que o momento mais duro do que havia vivido em sua existência foi no momento em que a minha mãe ficou cega no momento em que era garota, e isso me fez mais robusto.”

Aurora tinha uans hobbies quanto menos curiosas: “Eu ganhei muitos concursos cantando rap em coreano já que eu gosto muito nesse tipo de música”. Pouco após sentar-se para jantar Amália começou a falar que gostava de “ser muito dramática, porque o universo está rico em pessoas que são similares e eu não aspiro ser desse modo. Por trás da minha maquiagem o meu rosto é normal, muito básica, e sendo assim ante a minha maquiagem não existo”. Explicou-lhe a Aurora que a maquiagem com o que se pinta a cara rouba-lo, pois “são multinacionais e não ocorre nada, já que lhes roube algo”. A Aurora não gostou nada disso, e comentou que “está muito mal, vai contra os meus princípios morais furtar algo”.

Me passaram muitas coisas desagradáveis e em vista disso tenho deixado a magia para ser uma bacana moça”. O que acabou de botar o segundo encontro e pareceu mau de todo, a Aurora foi a defesa de Amalia de uma conexão aberta: “Se o teu parceiro quer se divertir liándose com outra pessoa, vá em frente”. Como era de se aguardar, nenhuma das duas quis ter um segundo encontro.